Eu estava preparando a homilia que daria no Domingo de Pentecostes e fazendo o que eu geralmente faço ao preparar homilias… enrolando na Internet. Enquanto passava pelas matérias do site Busted Halo, percebi que minha amiga Monica Rozenfeld postou algo a respeito do festival judaico chamado de Shavuot.

Como já mencionei antes, eu trabalhei, no verão passado, como capelão de um hospital em Nova York ao lado de dois estudantes rabinos. Ter aquela experiência deu-me uma noção ainda mais profunda de quão judaica é a nossa fé cristã, especialmente a fé católica. Tudo faz sentido se você refletir… Mas, verdade seja dita, até os estudos de Teologia e a minha experiência naquele verão, eu não tinha pensado sobre nada disso.

Por exemplo, a Celebração Eucarística é o aperfeiçoamento direto dos sacrifícios feitos no templo de Jerusalém na antiga Israel. O baldacchino visto em muitas Igrejas antes do Concílio Vaticano II (o mais famoso é o da Basílica de São Pedro) é uma referência direta às tendas que os antigos israelitas geralmente portavam ao redor da Arca da Aliança. E quando os gregos queriam traduzir o Festival do Shavuot em sua própria língua, eles chamaram de “Pentecostes”.

Shavuot é um festival que acontece cinquenta dias após a Páscoa a fim de celebrar aquele momento em que Deus deu a Torá a Moisés… Em outras palavras, o momento em que Deus deu sua palavra na forma de texto ao povo hebreu. Os cristãos, por outro lado, celebram Pentecostes cinquenta dias após o que consideramos ser a nossa Páscoa: o Domingo de Páscoa; depois de cinquenta dias ressurreição, a palavra de Deus foi-nos dada novamente, mas não de forma escrita, mas como Espírito Santo no coração dos fiéis.

O entrelaçamento entre o Shavuot e Pentecostes me fez refletir. O que tenho feito com a palavra de Deus em minha vida, seja ela escrita ou não? Quanto da sua palavra eu absorvo, esteja ela escrita em um livro na estante ou ressoando em meu peito? E com qual frequência eu celebro a recepção desse dom? Tudo que sei é que aprender mais sobre as raízes judaicas da minha fé católica me ajudou a ir adiante na resposta a essas perguntas.

_________________

AUTOR: Padre Tom Gibbons

Fonte: Busted Halo

Traduzido por Tiago Giacone – Membro da Rede de Missão do YOUCAT BRASIL, como Voluntário nos Núcleos de Tradução, Formação e atualmente também participa do Grupo de Estudo YOUFAMILY em Brasília – DF

Deixe seu comentário