Fátima, o “grande mistério” e a Teologia do Corpo

285
Fátima, o “grande mistério” e a Teologia do Corpo

Cem anos após a mensagem de Fátima, na época racionalista em que vivemos, onde a sexualidade é reduzida apenas à biologia, haverá espaço ainda para “o grande mistério” que é o Matrimônio? E qual é a relação entre Fátima e a Teologia do Corpo?


Como se sabe, a Irmã Lúcia de Fátima escreveu uma carta ao Cardeal Caffarra prevendo que “o confronto final entre o Senhor e o reino de Satanás será sobre a família e sobre o Matrimônio”. Não muito tempo depois, o Papa João Paulo II se encontrava no meio das famosas catequeses de sua “Teologia do Corpo”, sobre o Matrimônio e a família, quando um assassino turco tentou matá-lo. A tentativa de assassinato aconteceu em 13 de maio de 1981, dia da festa de Nossa Senhora de Fátima, e o mesmo dia em que o Papa João Paulo II iria anunciar a fundação de seu Pontifício Instituto para Estudos sobre Matrimônio e Família. Ele creditou “à mão de uma mãe”, Nossa Senhora de Fátima, o ter a vida salva naquele dia, permitindo assim que seus insight sexegéticos sobre a Teologia do Corpo fossem promulgados.

A biografia de João Paulo II escrita por George Weigel descreveu suas ideias revolucionárias sobre a Teologia do Corpo como “uma espécie de bomba-relógio teológica, programada para explodir com dramáticas consequências, talvez no século XXI”. Quais eram essas novas ideias? Como reafirmou o autor Christopher West, a tese do Papa é a de que o corpo humano “foi criado a fim de transferir para a realidade visível do mundo o mistério escondido na eternidade em Deus; para ser um sinal disso, portanto”. O corpo é algo não só biológico, mas também teológico. O corpo é o sacramento da pessoa. Ao contrário das más interpretações que normalmente se fazem, a Igreja não ensina que o corpo ou o sexo é ruim; essa é uma heresia neognóstica que deprecia o corpo como algo que nos é externo e passível de ser consumido. Na verdade, a Igreja ensina que o corpo é bom e santo, templo do Espírito Santo. Ele é encarnacional e sacramental. O corpo é uma pessoa e a pessoa é um corpo.

Mas o corpo também é mais do que isso. Deus o criou como um sinal e autorrevelação de seu próprio mistério divino. Deus “imprimiu na carne modelada sua própria forma, de modo que até o que fosse visível tivesse a forma divina” (Catecismo da Igreja Católica, § 704). O mistério central da fé cristã é que Deus é uma comunhão eterna de três Pessoas divinas: Pai, Filho e Espírito Santo. Há uma sacramentalidade no corpo humano que torna visível esse mistério escondido na eternidade.

O que o corpo nos fala sobre Deus

Como isso se dá? No princípio, quando Deus criou o homem, ele o fez duas encarnações separadas, mas complementares, homem e mulher. Através da beleza da diferença sexual, masculina e feminina, somos chamados a formar uma comunhão de pessoas, assim como há uma comunhão de Pessoas na Divindade. Nesse intercâmbio de amor entre marido e mulher, uma terceira pessoa é gerada em uma criança, formando novamente um ícone do amor trinitário, assim como através do amor mútuo entre o Pai e o Filho procede o Espírito Santo. Desse modo, a família humana torna visível no mundo criado — ainda que por uma via analógica e de distância infinita — o intercâmbio de amor, eterno e oculto, que há em Deus. Ao homem é dado tomar parte nesse grande mistério de geração e criação, à imitação da Trindade. Pode-se entender então que, quando Deus diz a Adão e Eva: “Crescei e multiplicai-vos”, ele está realmente lhes dizendo, em um nível simbólico, para manifestar sua imagem trinitária em todo o mundo. Esta é a vocação original do ser humano: amar como Deus ama.

E Deus nos ensina a amar como Ele ama através da complementaridade dos sexos, tal como ela foi impressa em nossos corpos. Esse dado revela o significado esponsal da nossa própria existência. Jesus mesmo reafirma a dualidade dos sexos e seu significado nupcial. Quando os fariseus o questionam sobre o divórcio, Jesus lhes responde: “Não lestes que o Criador, no começo, fez o homem e a mulher e disse: ‘Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e se unirá à sua mulher; e os dois formarão uma só carne?’ Assim, já não são dois, mas uma só carne” (Mt 19, 4-6). E os dois tornam-se um no sacramento primordial do Matrimônio: foi o sacramento original, o protótipo a apontar para a união esponsal de Cristo com a Igreja. São Paulo se refere a esse casamento de Cristo com a Igreja como um “grande mistério” (Ef 5, 32). Os casais unidos em santo matrimônio constituem um sinal sacramental do Esposo divino e sua Esposa.

Um tema subjacente a toda a Bíblia é que Deus quer nos “casar” (Os 2, 19). De fato, Ele quis nos tornar tão óbvio seu plano nupcial, que criou nossos próprios corpos, masculino e feminino, a fim de nos preparar para esse matrimônio místico e eterno. O casamento humano é, portanto, o sinal e o sacramento, revelando a realidade eterna da união entre Cristo e sua Igreja. Jesus também falou disso quando se dirigiu aos saduceus dizendo: “Na ressurreição, os homens não terão mulheres nem as mulheres, maridos; mas serão como os anjos de Deus no céu” (Mt 22, 30). Jesus reafirma que o casamento terrestre não é em si mesmo o fim último, senão um sinal do casamento celeste que há de vir. Trata-se de um precursor da verdade final, quando o sinal terreno finalmente dará lugar à realidade celestial. Na ressurreição, o corpo se tornará eterno, incorruptível, espiritual e divino. No entanto, como acontece com qualquer proposta de casamento, o consentimento mútuo é necessário. Nós devemos dar o nosso “sim” através da fé e da oferta de nós mesmos.

O casamento foi construído sobre essa noção de um dom livre e sincero dado de si para o outro. O dom de si próprio no casamento é um sinal e uma analogia do dom total de Cristo por sua Igreja. Na Última Ceia, quando Jesus institui a Eucaristia, Ele diz: “Isto é o meu corpo, que é dado por vós” (Lc 22, 19). Jesus se oferece corporalmente por nós, sua Esposa. A total auto-oferta de seu corpo é consumada com sua crucificação. Da mesma forma, a Eucaristia é uma renovação desse dom esponsal que Cristo oferece de seu corpo. Nas palavras de Jesus: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele” (Jo 6, 56). Essa é a nossa comunhão em uma só carne com Ele.

O plano original de Deus para o casamento

Jesus por diversas vezes nos aponta de volta ao princípio, a fim de que vejamos o plano original de Deus para o Matrimônio. Em resposta aos fariseus que o desafiavam a respeito do casamento, Jesus diz que “no começo não foi assim” (Mt 19, 8). Implicitamente Ele nos diz que permanece em nós, ainda que de modo residual, um certo eco dessa inocência original. Na “nudez original” do ser humano, Adão e Eva “estavam nus e não se envergonhavam” (Gn 2, 25). Eles não tinham nem vergonha, nem medo, nem luxúria; apenas inocência. Suas naturezas compostas, corpo e alma, estavam em perfeita harmonia. Adão e Eva viam um no outro uma pessoa inteira, imagem perfeita do Criador. A total doação de si que eles estavam destinados a fazer um ao outro era uma personificação do amor oblativo de Deus e uma expressão perfeita do significado nupcial de seus corpos. Cristo nos chama a restaurar isso.

É claro que, com a Queda do homem no pecado original, a imoralidade e a morte entraram no mundo. Adão e Eva tomaram folhas de figueira e juntaram-nas para cobrir seus corpos e ocultar sua vergonha. Na linguagem mítica da pré-história do Gênesis, as coisas tinham dado terrivelmente errado e nunca mais foram as mesmas desde então. A perfeita harmonia entre corpo e alma havia se rompido. Nossa natureza humana foi ferida pela concupiscência, o orgulho, a luxúria e a desobediência. A revelação da pessoa como uma imagem de Deus, a teologia estampada em nossos corpos, obscureceu-se.

Mesmo assim, apesar do pecado, aponta João Paulo II, “o casamento continuou a ser a plataforma para a realização dos planos eternos de Deus”. Em nenhum outro lugar isso ficou tão evidente quanto  na Encarnação. Jesus quis se fazer carne no seio de uma família e ser criado por uma mãe e um pai. A Encarnação de Jesus mostra que o corpo, e o casamento e a família permanecem “muito bons”. Ele destaca a centralidade do casamento como sacramento. As Escrituras nos dizem que Jesus também foi convidado para um casamento (cf. Jo 2, 2). Sua presença santifica o sacramento. Jesus realizou seu primeiro milagre público nas bodas de Caná, transformando a água em vinho. Aquele casamento aponta para a consumação do seu próprio matrimônio no Calvário, quando Ele oferece seu corpo por sua Esposa.

No Sermão da Montanha, Cristo novamente nos chama de volta ao modo como eram as coisas no princípio. Jesus diz: “Todo aquele que lançar um olhar de cobiça para uma mulher, já adulterou com ela em seu coração” (Mt 5, 28). Ele nos desafia a encontrar uma maneira nova e pura de olhar um para o outro, com a custódia de nossos olhos e uma pureza de coração que seja capaz de ver a pessoa como imagem de Deus. Jesus nos chama à conversão e a um domínio de si mesmo. Esse é o novo ethos que Jesus institui para o coração: agora se infunde em nosso eros um amor ágape. A visão antropológica de João Paulo II é uma sexualidade redimida, um “ethos da redenção do corpo”, o qual, através do poder de Cristo, torna-se livre do domínio da concupiscência e da autogratificação sexual. Somos chamados a essa libertação e a essa liberdade de ser; foi para isso que Jesus veio nos resgatar; Ele veio para que tivéssemos vida, e vida em abundância (cf. Jo 10, 10).

Satanás trabalha para minar nosso relacionamento com Deus

Se, no entanto, o Matrimônio é o sacramento primordial — a primeira revelação, na Criação, do ser interior de Deus e a primeira revelação da união de Cristo com sua Igreja —, há alguma dúvida de por que Satanás o ataca? É precisamente nessa unidade original dos sexos que ele tenta romper nossa comunhão com Deus. O objetivo de Satanás é manter o homem longe de seu destino eterno com Cristo. A Irmã Lúcia comentou, de fato, que muitas pessoas vão para o inferno por causa dos “pecados da carne”. Ao distorcer a teologia de nossos corpos, Satanás planeja obscurecer a imagem trinitária dentro de nós. Ele procura zombar da nossa união em uma só carne com Cristo. Vivemos em uma sociedade cada vez mais depravada, que torce o sacramento, transforma-o em um antissacramento e distorce o sinal em uma impostura diabólica. A desconcertante perda da ética sexual nos últimos cinquenta anos pelo menos, como parte da Revolução Sexual (e subsequente “cultura da morte”), mostra o ataque selvagem que se tem feito ao casamento, à sexualidade, à procriação e à família. Não é difícil perceber quantas falsificações obtiveram ampla aceitação cultural, infelizmente até por muitos dentro da Igreja. Como João Paulo II declarou: “O ‘grande mistério’ encontra-se ameaçado em nós e ao nosso redor”. Não surpreende que a progressiva destruição da moral sexual, especialmente a redefinição tanto do casamento quanto dos sexos, seja agora a ponta de lança que ameaça a liberdade religiosa.

Refletindo ademais sobre as proibições sexuais da Igreja, como a contracepção, por exemplo, a conclusão do Papa é que ela é teologicamente sacrílega porque falsifica o sinal sacramental do Matrimônio. Ao explorar essas verdades sublimes, João Paulo II considerou sua Teologia do Corpo como “um extenso comentário” sobre a Humanae Vitae e a regulação do nascimento. Será que nós nos fazemos as perguntas difíceis, como se é livre, total, fiel e fecunda a nossa união dentro do Matrimônio? Em nossa modernidade racionalista, onde a sexualidade é reduzida apenas à biologia, haverá ainda espaço para “o grande mistério”? Para entender o ensinamento da Igreja sobre controle de natalidade e ética sexual, é necessário ter uma “visão integral do homem e de sua vocação ”. A abertura à vida faz todo o sentido no “profetismo do corpo” como imagem de Deus, mas parece loucura quando não se tem em mente o sinal sacramental.

Agora que cruzamos o limiar do centenário das aparições de Fátima, talvez possamos, como o Papa João Paulo II, apelar a Nossa Senhora de Fátima por uma intervenção em prol do Matrimônio e da família. Foi em outubro de 1917, no clímax da última aparição da Virgem, que o mundo recebeu a visão milagrosa da Sagrada Família: Nossa Senhora e o Menino Jesus nos braços de São José. Eles nos foram apresentados como o modelo da família perfeita. Nós também podemos nos esforçar em nossas famílias pela santidade e a perfeição através da oração, da penitência e dos sacramentos. Como a Irmã Lúcia escreveu sobre a visão da Sagrada Família:

Em tempos como o presente, quando a família muitas vezes parece incompreendida na forma como foi estabelecida por Deus, e é atacada por doutrinas errôneas e contrárias aos propósitos para os quais o divino Criador a instituiu, Deus quis nos deixar um lembrete do propósito para o qual Ele estabeleceu a família no mundo.

Por isso, na mensagem de Fátima, Deus nos chama a voltar os olhos para a Sagrada Família de Nazaré, na qual Ele escolheu nascer e crescer, em graça e estatura, a fim de nos apresentar um modelo para imitar, enquanto nossos passos percorrem o caminho de nossa peregrinação ao Céu.

O Matrimônio é um sinal sacramental por toda a vida do mistério interior de Deus, sinal que deve ser vivido de forma casta e experimentado na temperança quotidiana de nossas vidas, por reverência a Cristo. Esse é, para muitos, o mapa da nossa estrada para a vida eterna. Vamos estudar novamente a Teologia do Corpo, como parte da nova evangelização, a fim de que brilhem novamente a verdade e a compaixão neste mundo tão desesperadamente necessitado delas, pois o tempo urge.

___________

Por Brian Kranick Tradução: Equipe Christo Nihil Praeponere

___________

CLIQUE E LEIA TAMBÉM:

Como a Teologia do Corpo afeta a maneira com que vivemos e ensinamos a castidade?

Dois livros que te ajudarão – e muito! – no conhecimento e na vivência da Teologia do Corpo

Deixe seu comentário