[Nota: os artigos que compõem essa série foram extraídos e adaptados do livro de Christopher West , “Teologia do Corpo para Iniciantes: Redescobrindo o Significado da Vida, Amor, Sexo e Gênero”]


Aos olhos de um mundo cheio de luxúria, uma vida inteira de celibato parece ser algo absurdo. A reação generalizada das pessoas quando se trata de celibato cristão poderia ser resumida na seguinte frase: “Ei, o matrimônio é a única chance legítima que vocês, cristãos, têm para satisfazer a luxúria. Por que cargas d’águas vocês renunciariam a isso? Seria uma condenação a uma vida infeliz e repressora”.

A diferença entre matrimônio e celibato nunca deve ser compreendida como a diferença entre uma escapatória “legítima” para os apelos da luxúria, por um lado, e a repressão deles, por outro. Crista chama a todos – não importa qual seja a vocação específica – para experimentar a redenção advinda da dominação da luxúria. Apenas sob essa perspectiva as vocações cristãs (celibato e matrimônio) fazem algum sentido. Ambas essas vocações – se forem vividas como Cristo deseja – devem fluir da experiência da redenção do corpo.

Como afirma João Paulo II, a pessoa celibatária deve submeter “a pecaminosidade de sua humanidade às forças emanados do mistério da redenção do corpo… assim como qualquer outra pessoa deve fazer” (TdC 77,4). É por isso que ele afirma que o chamado ao celibato não é apenas uma questão de formação, mas de transformação (confira TdC 81, 5). À medida que uma pessoa vive essa transformação, ela deixa de ser prisioneira da libido. Passa a ser livre, com a liberdade do dom. Para alguém assim, abrir mão da união sexual (do ícone) por causa do Reino (que é a realidade para a qual o ícone aponta) não se torna apenas uma possibilidade, mas também passa a ser algo muito atrativo. A realidade, na verdade, é infinitamente mais atraente que o ícone! Pensar de outro modo seria como trocar o céu pela terra; transformaria o ícone em um ídolo.

Dirigindo-se a celibatários consagrados e falando sobre o papel do eros em suas vocações, o padre Raniero Cantalamessa observou que o celibato cristão testemunha a verdade de que “o objeto principal de nosso eros, de nossa busca, desejo, atração, paixão, deve ser Cristo”. Ele continuou:

“Só isso é capaz de fazer com que nosso coração não saia dos trilhos… o Seu amor não tira de nós a atração pelo outro sexo (esta é parte de nossa natureza criada por Deus, e Ele não a quer destruir); Ele nos dá, porém, a força para superar essas atrações com uma atração muito mais forte. “A pessoa casta”, escreve São João Clímaco, “é quem afasta o eros com o Eros” (“The Two Faces of Love”).

O “e” minúsculo, do nosso eros, o fogo dentro de cada um de nós, deve nos levar ao “E” maiúsculo do Eros – o próprio fogo do amor de Deus. E se descrever o amor de Deus por nós por meio da palavra grega Ágape soar mais familiar para nós, lembre-se do discurso do Papa Bento XVI, no qual ele afirmou que o amor de Deus “pode certamente ser chamado de eros”. Em Cristo, o eros é “supremamente elevado… tão purificado que se torna um só com o Ágape” (Deus Caritas Est 9, 10). Na verdade, a união do eros com o Ágape é o “fogo” que Cristo veio lançar na terra (confira Lc 12, 49). (Veja no livro de Christopher West, “The Love That Satisfies”, uma reflexão mais profunda sobre a união do eros e do agape).

O ensinamento de São Paulo

Nesse contexto, é importante termos uma correta compreensão do ensinamento de São Paulo a respeito do matrimônio e do celibato em 1 Coríntios 7. Ele escreve que as pessoas que “não conseguem se guardar em continência… devem se casar. Porque é melhor casar-se do que abrasar-se” (versículo 9). O matrimônio é só para aqueles que não conseguem “lidar” com o celibato? O matrimônio torna aceitável a falta de continência (luxúria) de uma pessoa? Não de acordo com João Paulo II.

Esse santo polonês relembra que não podemos interpretar as palavras de São Paulo separadamente das palavras de Cristo sobre a luxúria. O verbo “abrasar-se” remete à luxúria. “Casar-se” significa um ordenamento da ética – o chamado a superar a luxúria – que São Paulo conscientemente introduz nesse âmbito (confira TdC 101, 3). Assim, de acordo com João Paulo II, parece que São Paulo está dizendo algo como: “É melhor vencer a luxúria por meio da graça do matrimônio do que permanecer submerso em seus próprios instintos”.

João Paulo II reconhece que o ensinamento de Paulo sobre o matrimônio e o celibato é marcado “pelo seu timbre próprio, de algum modo, pela sua interpretação ‘pessoal’” (TdC 82, 1). Ele ainda questiona se as afirmações de Paulo indicam uma “aversão pessoal” ao matrimônio (veja TdC 83, 3). Quando fora do contexto, expressões como “Penso que seria bom ao homem não tocar mulher alguma” (v. 1) e “Quereria que todos fossem [celibatários] como eu” (v. 7), e “Não procures mulher” (v. 27) poderiam levar alguém a pensar assim. Mas João Paulo II demonstra que uma leitura reflexiva de todo o texto nos leva a uma conclusão diferente.

São Paulo enfrenta diretamente a grande ideia errônea, que circulava em Corinto, de que o casamento e a união sexual eram pecaminosas. O matrimônio é um “dom especial de Deus” (v. 7). Os esposos “não devem se recusar um ao outro” em seus relacionamentos conjugais, “exceto por comum acordo” (v. 5). E São Paulo diz que, aqueles que se casam, “fazem-no bem”.

O Celibato é “melhor” que o Matrimônio?

Por que, então, São Paulo diz que “aquele que não se casa faz melhor” do que aqueles que se casam (v. 38)? Com base nessas palavras, a Igreja tem tradicionalmente ensinado que o celibato é uma vocação objetivamente “superior”. Mas isso deve ser compreendido com muita atenção, se não caímos em um grave erro. Muitos erroneamente concluem que, uma vez que o celibato é tão bom, o casamento deve ser ruim. Se se abster do sexo faz alguém ser “puro e santo”, então ter sexo – mesmo dentro do matrimônio – deve tornar alguém “impuro e sujo”. Mas essa não é a compreensão da Igreja! Essas desvalorizações do matrimônio e da união sexual, na verdade, provêm da heresia maniqueísta, a que nos referimos anteriormente 1.

João Paulo II torna tudo isso perfeitamente claro: a “superioridade” do celibato em relação ao matrimônio, na autêntica tradição da Igreja, “nunca significa uma depreciação do matrimônio ou uma desvalorização de seu valor essencial. Nem mesmo… significa uma mudança, ainda que implícita, às posições maniqueístas, ou um apoio às maneiras de julgar ou agir com base em uma compreensão maniqueísta do corpo ou da sexualidade”. No autêntico ensinamento da Igreja, “não encontramos nenhum embasamento, qualquer que seja, para a depreciação do matrimônio” (TdC 77, 6).

O celibato é um chamado “excepcional” porque o matrimônio permanece sendo a vocação “normal” nessa vida. É “melhor” não por causa do celibato em si mesmo, mas porque ele é escolhido por causa do Reino. É melhor no sentido de que o matrimônio celestial (para o qual os celibatários se devotam mais diretamente) é superior ao matrimônio terrestre. O celibato cristão dá àqueles que o vivem de forma autêntica uma antecipação ainda mais intensa da comunhão que virá com Deus e com todos os santos.

Acaso isso significa que, se realmente quisermos seguir a Cristo, deveríamos todos ser celibatários? Não. Como escreve São Paulo, “cada um tem de Deus um dom particular: uns, este; outros, aquele” (v. 7). Devemos, cuidadosamente, e com muita oração, discernir qual “dom” Deus nos deu. De forma subjetiva, a melhor vocação é aquela a que Deus nos chama enquanto nosso próprio dom. Se o seu dom é o matrimônio, alegre-se! Esse é o seu caminho para o céu. Se o celibato é seu dom, alegre-se! Esse é seu caminho para o céu.

_______________

1 O maniqueísmo ensina que há um dualismo entre corpo e alma, causando a crença herética de que o espírito é bom, mas o corpo é mau.

Fica a questão para você responder nos comentários: Por que o verdadeiro celibato cristão jamais deve ser compreendido como uma repressão da sexualidade humana?

______________

Autor: Christopher West

FonteThe Cor Project

Artigo 1: A jubilosa verdade sobre o CELIBATO – Parte 1: A autêntica liberdade sexual é a solução para a crise sexual na Igreja.

Artigo 2: A jubilosa verdade sobre o Celibato – Parte 2: O que isso tem a ver com as estrelas?

Traduzido por Tiago Veronesi Giacone – Membro da Rede de Missão do YOUCAT BRASIL, como Voluntário nos Núcleos de Tradução, Formação, Clube de Leitura YOUCAT e também atualmente participante do Grupo de Estudo YOUFAMILY em Brasília – DF.

Deixe seu comentário